Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/26719
Título: A tuberculose nos arquivos da perícia médica na Marinha do Brasil - histórico e atualidades
Orientador(es): Ferreira, Glaucia Regina Dantas
Autor(es): Frutuoso, Regis A. Maia
Palavras-chave: Medicina naval - periódicos
Tuberculose
Perícia médica
Marinha do Brasil História
Data do documento: 2016
Editor: Arquivos Brasileiros de Medicina Naval
Descrição: Segundo dados atuais da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o único país das Américas entre os 22 responsáveis por 80% dos casos mundiais de Tuberculose, numa triste 16ª posição. Os autores apresentam os resultados de pesquisa documental, realizada para conhecer os procedimentos médico-periciais utilizados nas avaliações das guarnições da Marinha do Brasil, no período de 1860 a 1900, realizados no Hospital Central da Marinha (HCM), na Ilha das Cobras - Rio de Janeiro. Comprovam, nesse período, a alta frequência de Tuberculose como causa de incapacidade temporária e definitiva para o Serviço Ativo da Marinha (SAM). Desenvolvem ainda um breve relato das origens da Tuberculose, que assolava a população dos países, cidades e as tripulações dos navios das Marinhas de todo o mundo a partir do século XVI, relembrando as condutas terapêuticas tomadas diante da doença. Finalmente, apresentam documentação médico-pericial relacionada e fatos pouco conhecidos no meio médico, testemunhando o significativo valor cultural do material coletado nos arquivos da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documental da Marinha e no Centro de Perícias Médicas da Marinha.
URI: http://www.redebim.dphdm.mar.mil.br:8080/pergamumweb/vinculos/000012/000012cd.pdf
http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/26719
Aparece nas coleções:Saúde: Coleção de Artigos

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Artigo_Regis_Glaucia.pdf729,62 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.